jusbrasil.com.br
23 de Novembro de 2017

Constelações sistêmicas em processos judiciais

A necessidade de técnicas alternativas ao Estado beligerante

Sabrina Florêncio, Advogado
Publicado por Sabrina Florêncio
há 5 meses

Segundo o relatório Justiça em números 2016, publicado anualmente pelo Conselho Nacional de Justiça (Aguardamos o 2017), O total de processos que tramitaram no Judiciário no ano passado, excluindo aqueles que estavam no Supremo Tribunal Federal, chegou a 102 milhões. Número este superior ao ano de 2015, que por sua vez também foi superior ao ano de 2014.

Tais indicadores refletem, inequivocadamente, um estado de beligerância no seio social, o qual vem sendo mediado no Brasil pela técnica alternativa de dissolução de conflitos da mediação e conciliação de forma mais robusta há pelo menos 20 anos, recebendo agora o apoio de outras técnicas que vem a contribuir nesse cenário de transição, uma deles é a constelação familiar ou constelação sistêmica.

Constelaes sistmicas

A técnica foi desenvolvida pelo psicoterapeuta alemão Bert Hellinger tendo por escopo trabalhar o inconsciente com visas a detectar bloqueios de fluxos de energia (baseados na quântica) que possam estar bloqueando a harmonia da árvore genealógica e consequentemente da família, base da sociedade e instituição indispensável para a fraternidade dos povos.

Para Hellinger tudo está interligado, o bloqueio de um fato ocorrido em momento passado na vida de um indivíduo, pode vir a obstruir ou impossibilitar o avanço em determinada área da vida.

Há, em todas as formas de vida, essa energia divina que, no ser humano, apresenta-se em forma de consciência, de discernimento, de razão, de amor, de sabedoria.

Na família, esse nobre sentimento encontra campo fértil para desenvolver-se, felicitando os seres frágeis que reiniciam a jornada, bem como aqueles que lhes constituem a segurança.*

Cabe destacar que a constelação sistêmica não substituir a mediação ou conciliação dos conflitos, na verdade uma potencializa a outra, pois as últimas se tratam da construção de diálogos entre as partes e estes podem vir a ser facilitados após uma ou mais constelações, uma vez ativados os fluxos energéticos.

O fato é que a justiça já vem dando sinais de cansaço e demonstrado que nela não está a resolução de todos os problema de um Estado, cabendo a nós, enquanto sociedade, nos apropriarmos de todas as técnicas que se mostrem plausíveis na buscam pelo propósito maior do contrato social, qual seja, a paz.


*FRANCO, Divaldo. Constelação Familiar. Disponível em:. Acesso em 22 de jun. 2017.

3 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Me causa imenso espanto que alguém leve a sério esse tipo de abordagem.
Esoterismo não pode, de jeito nenhum, fazer parte do estado, Muito menos ainda na justiça.

Tenho vergonha desse país e desse judiciário onde os juízes acreditam e levam para o processo, crendices esotéricas.

Isso tem que ser combatido! continuar lendo

Olá John, respeito seu posicionamento, conquanto, essa teoria não se trata de crença, pois em nada tem a ver com religião.

Saudações fraternais, continuar lendo